segunda-feira, 2 de novembro de 2009

O necessário para Evolução Humana


Queridos Neandertais paquidérmicos que tanto insistem em acessar o “Filósofos Bêbados”, antes de mais nada, gostaria de avisar a todos acharam que eu havia perecido diante da gripe suína, que terei que desapontá-los. Estou vivo e pronto pra outra, para o azar de todos vocês.

Pois bem, prometi a todos no último texto que postaria algo realmente filosófico no próximo post, deixando minhas tragédias pessoais de lado, e é exatamente isso que vou fazer, mesmo sabendo que vocês adoram quando esse que vos fala se fode em gênero número e grau.

Essa semana, fui assistir ao excelente “Bastardos Inglórios” no cinema, que recria de um jeito insano o final da segunda guerra mundial, algo que sem dúvida só poderia ter saído da cabeça do Tarantino, mas não estou aqui para fazer resenhas ou elogiar Tarantino, e sim para falar justamente sobre o plano de fundo do filme: A Guerra.

Óbvio e Ululante que todos vocês devem estar em comum acordo quanto aos significados da Guerra. O ápice da estupidez humana onde filhos da puta tentam a todo custo mostrar sua superioridade matando e conquistando outros filhos da puta por discordarem entre si, logo, nada de bom poderia sair daí, não é mesmo?

Errado queridos leitores de QI reduzido.

Focaremos primeiro a segunda Guerra Mundial, onde nosso Antagonista esquizofrênico, que possui um bigodinho ridículo e tendências altamente homossexuais entra em cena. Hitler era insano e doentio, mas essas duas características unidas a Inteligência e ao dom da oratória único que ele possuía, desencadearam os acontecimentos em questão.

(O Maior influenciador das Massas do Século)

Somente uma pessoa com o dom de influenciar a massa de modo único conseguiria unir uma nação em prol de um objetivo tão estúpido quanto aquele. Judeus foram mortos como parasitas por não se adequarem a raça ariana defendida por Hitler, a raça que nem mesmo fazia parte.

Mas não é sobre Hitler que venho escrever hoje, e sim sobre o que os alemães sobre as ordens do ditador nazista realizaram em seus campos de concentração.

Vocês podem falar debater com comigo coisas do tipo:

- Porra Platão, só tinha cuzão naquela merda. Mataram um monte de gente e fizeram atrocidades nunca vistas antes. Hitler era filho de uma grandessíssima prostituta, isso sim.

Concordo queridos leitores, mas vocês nunca pararam para pensar no que se ganhou com isso? Óbvio que o fim não justifica os meios, mas as experiências absurdas realizadas pelos nazistas conduziram a descobertas únicas para a medicina atual.

Ou como vocês acham que os transplantes de órgãos evoluíram tanto? Fazendo experiências em ratos?

Não sejam inocentes a tal ponto. Já ouviram falar em tentativa e erro? E estejam cientes que ocorreram MUITOS erros.

A própria penicilina, usada hoje de diversas maneiras, foi descoberta por Fleming em 1928, e não foi utilizada até 1942 por diversos motivos que mesmo que eu explicasse para vocês, dificilmente conseguiriam entender, porém, quando os governos aliados, preocupados com os ferimentos de batalha investiram num processo de purificação dos extratos de fungos, o Dr. Florey conseguiu o primeiro antibiótico que podia ser usado em seres humanos.

Logo, todo e qualquer remedinho que você usa quando fica gripado, está diretamente relacionado ao que foi feito aquelas pessoas no período da guerra.

Vocês se sentem culpados por isso?

Já existe muita hipocrisia no mundo para que esse blog faça uso dela também, nunca se conheceu tanto sobre o corpo humano como na época das guerras, afinal, não seria ético estudá-lo do modo invasivo como foi feito naquele período.

E todas as descobertas científicas feitas no processo da criação da bomba atômica? São várias. Claro que ela foi usada de modo bélico para mostrar ao mundo o poder que os porcos capitalistas comedores de fast food tinham em mãos, através do bombardeiro B-29 mais bicha do mundo, o Enola Gay.

(O Enola Gay)

E como ultimo exemplo, vamos aos tempos de guerra fria, e a corrida espacial entre união Soviética e nossos amigos da terra do tio Sam, e toda a tecnologia criada para levar o homem a Lua. Claro que muitos ainda duvidam que o homem realmente pisou na Lua, porém, independente do que realmente ocorreu naquela época, fica óbvio que vários avanços foram feitos para se alcançar o objetivo de provar a superioridade de uma nação ao mundo.

(Montagem ou verdade?)

Tudo isso me leva a crer que essa raça medíocre conhecida como seres humanos só se preocupa em evoluir em tempos de caos e de repetidas tragédias. É um povo que se alimenta de destruição por natureza e que só consegue criar um sentimento de nacionalismo e de união perante a dificuldades mórbidas.

Quem sabe na próxima guerra mundial, não se descubra a cura de doenças como a AIDS e o Câncer, tecnologias fantásticas e avanços incríveis. Pelo menos, até algum idiota apertar o famoso botão vermelho e acabar com a existência de seres vivos nesse planeta.

(O Temido Botão Vermelho)

Grato, Platão.

PS: Essa semana estarei postando um texto feito por um aspirante a Filósofo. Colocarei detalhes sobre ele antes do texto de sua autoria, e gostaria da ajuda de vocês para duas coisas.

Primeira: Ele está apto ao cargo de quinto filósofo?

Segunda: Se estiver, que nome filosófico poderá se dado a ele?

Até quarta o texto estará no ar...

7 comentários:

inairim disse...

Da Lua, é montagem! .-.

Thaís Souza disse...

Meu Deus, Platão, até que enfim, saudades dos posts *---*!

Realmente post muito interessante, pontos de vista!Me lembrou um caso que vi no seriado do House, um cara ficou doente e ele era um famoso médico que pesquisou por anos curas para crianças com câncer, sendo que em muitos dos casos, ele usou e também matou muitas delas consequentemente, para enfim salvar milhões, e todas os pais não sabiam que seus filhos estavam sendo usados como cobaias!Fictício tá, mas é um grande exemplo, é excelente que com isso ele tenha salvado muitas vidas, mas eu penso, eu tenho um bebê de 3 meses, amo e é a melhor coisa da minha vida, se um cara faz algo do tipo com o meu filho, com certeza eu não ficaria feliz iria querer matar ele de porrada xD! Mas falando sério, depende neh, tudo muito relativo.

Tiago disse...

muito bom o post, cara sou fa de vocês sdicionei o banner de vocÊs no meu blog, depois da uma olahada la, valeu

blogdafc.blogspot.com

me linka

Gisele disse...

Bom ver você de volta.

Realmente, gostei muito do seu testo pois ninguém da minha escola me dá crédito quando eu falo que a guerra tem seus lados bons.

Outra coisa que gostei muito no texto foi o que você disse sobre as pessoas só evoluirem em tempos de caos. Descobri mais ou menos no inicio deste ano que já inventaram um carro movido a àgua com boro. O projeto acabou não indo pra frente porque ninguém quis investir nele, mas o veiculo funcionava bem. É como eu sempre digo: Pessoas só se preucupam com o o que afeta diretamente a si e ao seu bolso.

Anônimo disse...

Até que enfim voltaste !!
otimo post falando sobre o outro lado da guerra.
pq os outros filosofos nao escreveram inquanto vc estava doente ? aposto q essa historia de gripe suina foi so uma desculpa pra vc tirar férias do blog e enxer o cu d cana !! suahsuashas
mVlw, otimo blog

Jáááárdel disse...

ainda acho que vc morreu... só não te contaram...

sobre a evolução durante a guerra só tenho a dizer que é batendo no burro que o carro anda...

Anônimo disse...

Ainda existem pessoas inteligentes nesse mundo, e o melhor de tudo, sabe escrever muito bem e possui um blog. O melhor texto que li nos últimos tempos. Me fez para para pensar!

Parabéns Platão!